Barril de Brent recua 0,16% e fecha nos 74,37 dólares

Londres, 25 abr 2019 (Lusa) - O preço do barril de petróleo Brent, para entrega em junho, recuou hoje 0,16%, para 74,37 dólares, depois de durante a sessão ter ultrapassado, pela primeira vez, a barreira dos 75 dólares desde outubro último.

O petróleo do mar do Norte, que serve de referência para a Europa, terminou hoje a sessão no mercado de futuros de Londres a valer menos 0,12 dólares do que na quarta-feira, quando encerrou nos 74,49 dólares.

O preço do Brent atingiu durante a primeira metade do dia o máximo deste ano, impulsionado pela renovada pressão dos Estados Unidos para limitar as exportações do Irão.

Cerca das 09:30 (hora de Lisboa), o barril de Brent do mar no Norte para entrega em junho negociava em Londres nos 75,35 dólares, mais 78 cêntimos face ao fecho de quarta-feira.

A escalada do preço, que se tem registado desde inícios de 2019, favorece os grandes produtores, cujas exportações superam as importações, como Arábia Saudita, Rússia e Emirados Árabes Unidos, enquanto penaliza os países com recursos petrolíferos limitados, como muitos europeus.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), especialmente a Arábia Saudita e a Rússia, aliada externa do cartel, tem desde início do ano reduzido a produção de crude, elevando o preço.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem pedido reiteradamente à OPEP que suavize os cortes, mas sem sucesso.

Os especialistas creem que o cartel não irá compensar os barris que o Irão deixará de exportar, como já admitiu o ministro da Energia saudita, o que aumenta o nervosismo do mercado levando à subida dos preços.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.