Banco Popular conclui em Espanha integração jurídica do Popular

Madrid,28 set (Lusa) - O Banco Santander registou a integração do Banco Popular e do Banco Pastor, um procedimento burocrático que envolve o desaparecimento legal dessas duas instituições que, por enquanto, mantêm as suas marcas.

O Santander informou hoje a Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola que inscreveu no instituto de registos espanhol a sua "fusão por absorção" do Banco Popular, o que inclui também o Banco Pastor.

A extinção das duas entidades bancárias não tem nenhum efeito operacional imediato, já que ambas as redes de balcões continuarão a trabalhar com normalidade, como até agora, disseram fontes do Santander em Madrid à agência espanhola Efe.

Os clientes do Popular podem continuar a fazer operações nos seus balcões habituais e, por serem clientes do grupo Santander, já beneficiam de uma série de produtos e serviços comuns, como o uso gratuito da rede de caixas automáticas de levantamento de dinheiro, cerca de 7.500 em toda a Espanha.

No país vizinho, cada entidade bancária tem a sua rede de caixas automáticas, pagando os clientes uma taxa se utilizarem a de outro banco, ao contrário de Portugal onde há uma empresa que fornece esse serviço (Multibanco) de forma gratuita para o consumidor.

Os balcões do Popular e do Pastor vão permanecer abertos e a prestar os serviços habituais e não haverá mudanças substanciais até que seja concluída a integração tecnológica, acrescentaram as mesmas fontes.

O Banco Santander sublinha que o processo de integração se está a realizar de acordo com o calendário previsto e compromete-se a continuar a informar os clientes até à integração operacional, o último passo do processo iniciado no verão de 2017, quando anunciou a compra do Popular.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.