Banco BPI aumenta salários dos trabalhadores em 0,5%

O Banco BPI atualizou os salários dos trabalhadores em 0,5%, antecipando um aumento que venha a ser decidido na revisão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), segundo informação interna a que a Lusa teve acesso.

Em comunicado interno, o BPI diz que, uma vez que a revisão do ACT é um processo demorado, a administração "decidiu proceder a um aumento salarial de 0,5% sobre a retribuição mensal efetiva dos colaboradores do banco, a título de antecipação e negociação coletiva do ACT".

Esse aumento é pago com efeitos retroativos a 01 de janeiro.

Assim, quando for encontrado um valor de aumento salarial no âmbito do ACT, o BPI fará o ajustamento para o valor restante.

Por exemplo, se for decidido que o aumento é 0,75% o que o BPI fará é acrescentar o valor em falta, uma vez que o aumento de 0,5% já atribui.

O BPI tinha 4.888 funcionários em final de 2018, menos 42 do que em 2017.

O banco teve lucros de 490,6 milhões de euros em 2018, bem acima do resultado de 10,2 milhões de euros registado em 2017.

A atividade em Portugal contribuiu com 396,3 milhões de euros (dos quais 218,3 milhões recorrentes, que excluem vendas de ativos), enquanto a contribuição de Angola (BFA) foi de 73,2 milhões de euros e a da operação em Moçambique (BCI) de 20,5 milhões de euros.

O BPI é detido em 100% pelo grupo espanhol CaixaBank.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.