Banco BNI Europa recupera de prejuízo e regista lucro de 2,7 ME no 1.º semestre

O Banco de Negócios Internacional (BNI) Europa registou lucros de 2,7 milhões de euros no primeiro semestre, recuperando dos prejuízos de 2016, anunciou hoje a entidade.

A informação divulgada pelo BNI Europa refere que os seus ativos cresceram 36,7% no semestre, atingindo cerca de 500 milhões de euros.

"O produto bancário cresceu 146,2%, fixando-se em 6,6 milhões de euros, com o resultado líquido a atingir os 2,7 milhões de euros, permitindo recuperar dos prejuízos de 2016", aponta o banco angolano.

Salienta que, um ano e meio após o início de atividade, e com a equipa de "gestão reforçada", o banco realizou alterações "relevantes na sua estratégia" e focou-se em "negócios e produtos inovadores".

"Condicionado pela sua estrutura limitada de recursos", o BNI Europa desenvolveu parcerias com Fintech's para acelerar o crescimento e a oferta de produtos e serviços, acrescenta a informação.

O BNI Europa descreve ter vindo a afirmar-se pela visão assente em plataformas digitais e pelos produtos de depósito a prazo e conta à ordem remunerada, tendo lançado a marca 'Cereja' e o 'Crédito Inverso', produto destinado ao segmento sénior, assim como a plataforma de crédito ao consumo online 'Puzzle'.

O banco diz também que tem vindo a especializar-se na gestão de soluções alternativas de captação de recursos e de crédito e já estabeleceu parcerias com 12 Fintech's europeias, para disponibilizar depósitos a prazo e financiar operações de crédito.

Para 2017 faz parte dos planos do BNI Europa continuar a "focar-se na inovação e parceria com Fintech's" e lançar quatro novos produtos de crédito ao consumo e crédito a PME (pequenas e médias empresas), acrescenta a informação divulgada pelo banco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.