Bancários consideram "miserabilista" nova proposta de aumentos salariais de 0,7%

Os bancos voltaram a subir a sua proposta de aumentos salariais, para 0,7%, que os sindicatos ligados à UGT consideram miserabilista, mas que os levou a apresentar uma contraproposta mais baixa, de 2,1%, para manter negociações.

"O Grupo Negociador das Instituições de Crédito apresentou uma nova proposta de revisão salarial: acrescentou 0,1% ao valor anterior. Ou seja, defende um aumento de 0,7%", afirma a Febase (a federação sindical que agrega os sindicatos dos bancários ligados à UGT) num comunicado disponível na sua página oficial do Sindicato dos Bancários do Norte.

Há cerca de 15 dias, sessão anterior de negociações, ambas as partes alteraram as suas propostas: os bancos subiram a sua proposta para 0,6% e o Grupo Negociador da Febase contrapropôs 2,25% (a sua proposta inicial era de 3%).

Segundo a Febase, os representantes das instituições de crédito ficaram de reformular a sua última proposta, tendo apresentado então "um avanço de 0,1%, para 0,7%".

No entanto, para os representantes dos trabalhadores esta contraproposta "é miserabilista e própria de alguém que não procura entendimentos".

A Febase salienta que "salvo alguma exceção, todos os bancos regressaram aos lucros e a massa salarial não aumentou", considerando que o reforço para os Fundos de Pensões "não é argumento", já que estes Fundos "também geram mais-valias".

"Face a este pretenso avanço, o Grupo Negociador da Febase adiantou o valor de 2,1%, no intuito de manter as negociações em aberto", afirmam os representantes, considerando que "um possível entendimento ainda está longe".

As duas partes marcaram uma nova reunião para dia 22 de junho.

Já em março, o presidente do Sindicato dos Bancários do Norte tinha dito à Lusa que os trabalhadores poderão avançar para manifestações: "É tempo de os bancários começarem a ponderar ações de luta face a esta intransigência da banca", afirmou então Mário Mourão.

Os aumentos que estão a ser negociados entre sindicatos bancários e grupo negociador dos bancos serão válidos para a tabela salarial, pensões de reforma e sobrevivência e cláusulas de expressão pecuniária.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.