Avançado Simão Pipo vai fazer a pré-época com os seniores do Tondela

O avançado português Simão Pipo assinou contrato de formação com o Tondela e irá integrar os trabalhos de pré-época do plantel profissional, anunciou hoje o clube beirão, da I Liga de futebol.

Numa nota publicada no sítio oficial na internet, o Tondela informa que celebrou um contrato de formação com o atleta de 18 anos, que é ainda júnior.

Simão Pipo encontra-se no Tondela desde 2014, onde jogou no escalão de Juvenis e Juniores. Na sua última temporada apontou 19 golos em 24 partidas.

"Esta é uma aposta clara do Tondela em dar seguimento ao excelente trabalho que o clube tem vindo a desenvolver nos escalões mais jovens que, de há uns anos para cá, se tem pautado sempre pelos campeonatos nacionais", evidenciaram os beirões.

Os jogadores do plantel 'auriverde' vão cumprir na próxima segunda-feira os testes físicos em Vila Real, com a colaboração do Creativelab da Cidesd, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

O primeiro treino da pré-temporada realiza-se a 04 de julho, no campo de treinos do Estádio João Cardoso, em Tondela, com o treinador do clube beirão a orientar a primeira sessão de trabalho pelas 09:30.

As duas primeiras semanas de pré-época cumprir-se-ão 'dentro de portas' e só depois os jogadores seguem para o estágio, que mais uma vez se realiza no Luso, entre os dias 19 e 26 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?