Autárquicas: Vereadora Manuela Santos é de novo a candidata da CDU em Soure

A atual vereadora e professora Manuela Santos é novamente a candidata da CDU à Câmara Municipal de Soure, disse hoje o responsável distrital do PCP em Coimbra, Vladimiro Vale.

De acordo com Vladimiro Vale, o objetivo em Soure passa por "reforçar o número de eleitos" e aumentar os votos na CDU, que em 2013 voltou a conquistar um mandato para a Câmara Municipal.

Manuela Santos, de 59 anos, é professora do Agrupamento de Escolas de Soure, e, atualmente, é presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Soure.

Entre 1997 e 2005 foi eleita membro da Assembleia Municipal de Soure pela CDU e, entre 2005 e 2009, cumpriu o seu primeiro mandato como vereadora, que voltou a assegurar nas autárquicas de 2013.

Manuela Santos, licenciada em economia, é vereadora com delegação de competências na área da juventude e gestão da piscina municipal de Vila Nova de Anços.

A cabeça de lista pretende "continuar o trabalho de defesa dos serviços públicos e dos direitos dos trabalhadores" e apostar "na área da juventude, com uma forte ligação à educação e à ação social", disse à agência Lusa Manuela Santos.

A candidata da CDU sublinha que o concelho precisa de "uma melhoria das redes viárias", de uma ligação "à A17, que é prioritária", e de intervir na plataforma logística na Granja do Ulmeiro, onde há "uma deficiente ligação de entrada ou de saída do concelho".

Em 2013, a coligação PCP/PEV conquistou um mandato, com 9,93% dos votos.

Apesar de ter tido um resultado inferior a 2009, autárquicas em que perdeu a vereação, a CDU beneficiou de uma redução do número de votantes.

Para as autárquicas deste ano, Mário Jorge Nunes recandidata-se à Câmara Municipal pelo PS e o PSD avança com o engenheiro civil Agostinho Jordão Gonçalves como cabeça de lista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.