Autárquicas: Vereador do PSD/CDS-PP em Setúbal concorre à Câmara de Arraiolos

O vereador do PSD/CDS-PP na Câmara de Setúbal, Luís Rodrigues, vai ser o candidato da mesma coligação à presidência do município de Arraiolos, no distrito de Évora, de maioria CDU, nas eleições autárquicas deste ano.

O candidato revelou hoje à agência Lusa que aceitou o convite para encabeçar a lista com "grande interesse e paixão", considerando que este é o seu "maior desafio político" desde que se tornou militante do PSD.

Engenheiro civil, Luís Filipe Alexandre Rodrigues, de 51 anos, foi o cabeça-de-lista do PSD/CDS-PP à Câmara de Setúbal nas autárquicas de 2013 e é, no atual mandato, o único vereador da coligação naquele município, liderado pela CDU.

Residente no Seixal, distrito de Setúbal, e com casa há cerca de 20 anos no concelho de Évora, Luís Rodrigues possui uma licenciatura em engenharia civil pelo Instituto Superior Técnico (IST) e frequência de mestrado em Planeamento Regional e Urbano.

O candidato foi deputado social-democrata na Assembleia da República eleito por Setúbal, entre 1999 e 2011, e vereador do PSD na Câmara do Seixal, além de presidente da distrital de Setúbal e secretário-geral adjunto do partido.

A candidatura de Luís Rodrigues é a única anunciada, até hoje, à presidência do município de Arraiolos nas eleições autárquicas de 01 de outubro.

A Câmara de Arraiolos é presidida pela comunista Sílvia Pinto, que cumpre o primeiro mandato, sendo o atual executivo municipal constituído por três elementos da CDU e dois do PS.

No distrito de Évora, com 14 concelhos, a CDU lidera em seis municípios (Alandroal, Arraiolos, Évora, Montemor-o-Novo, Mora e Vila Viçosa), o PS em cinco (Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Viana do Alentejo) e os outros três (Borba, Estremoz e Redondo) são presididos por movimentos independentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.