Autárquicas: Técnico de farmácia António Lareiro é o candidato da CDU em Armamar

O técnico de farmácia António Lareiro é o candidato da CDU à presidência da Câmara de Armamar e promete lutar pelo desenvolvimento e progresso do concelho, caso seja eleito a 01 de outubro.

Em declarações à agência Lusa, o candidato de 63 anos explicou que já concorreu "várias vezes" à presidência da Câmara de Armamar, desde 1976, e que foi pela última vez cabeça de lista em 2009.

"Candidato-me para trabalhar e servir a minha terra. Estou disponível, mais uma vez, para lutar pelo desenvolvimento e progresso da minha terra, que é Armamar", justificou.

De acordo com António Lareiro, entre as suas prioridades está a manutenção dos serviços públicos de Armamar, que "se têm vindo a degradar ou a fechar".

"Pretendo ainda lutar para que Armamar se mantenha como município e que não seja extinto e integrado noutro", acrescentou.

O candidato da CDU foi presidente da Junta de Freguesia de Armamar de 2009 a 2013, para além de ter exercido o cargo de secretário de 1985 a 1997 e de presidente da Assembleia de Freguesia de 1997 a 2001.

Atualmente, integra a Assembleia de Freguesia de Armamar.

Na 'corrida' autárquica encontra-se ainda o atual presidente da Câmara de Armamar, João Paulo Fonseca, que se recandidatou a um segundo mandato pelo PSD, e o empresário Jorge Augusto, que é o candidato do CDS-PP.

O PSD venceu as autárquicas de 2013 com 56,97% dos votos, conquistando quatro mandatos. O CDS-PP obteve 20,94% dos votos, o que lhe valeu um mandato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...