Autárquicas: Sérgio Ribeiro é o candidato da CDU à Câmara de Ourém

O economista Sérgio Ribeiro é o candidato da CDU à Câmara de Ourém nas eleições autárquicas de 01 de outubro, disse o próprio à agência Lusa.

Sérgio Ribeiro, 81 anos, militante do PCP, é reformado e licenciado e doutorado em economia: "Pretendo continuar a lutar por Ourém, como tenho feito nos últimos 12 anos", adiantou o candidato.

Segundo uma nota de imprensa, o objetivo da candidatura não são "intenções de natureza pessoal ou de carreira,", nem é "contra o que outros possam afirmar ou pretendam", pelo que a CDU se "recusa a entrar em lutas por pequenos poderes".

Considerando que poderá ser uma "alternativa", Sérgio Ribeiro acredita que a CDU "é mais uma escolha em Ourém".

Após 18 anos como membro da Assembleia Municipal de Ourém, Sérgio Ribeiro adiantou que não pretendia ser de novo candidato, optando por dar o lugar "a uma pessoa mais nova".

Acabou por "não recusar" a proposta da comissão concelhia do PCP de o apresentar como cabeça-de-lista ao Município.

A candidata à Assembleia Municipal é a independente Brígida Batista, 35 anos, licenciada em Engenharia Biotecnológica.

Nas últimas eleições, a CDU obteve 03,15% dos votos, não tendo conquistado nenhum mandato. A Câmara de Ourém foi conquistada pelo PS, com 38,86% dos votos, somando três mandatos. O PSD recebeu 38,35% dos votos, garantindo o mesmo número de mandatos. O movimento independente obteve 11,39% dos votos, ficando com um mandato atribuído.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.