Autárquicas: Sérgio Humberto (PSS/CDS-PP) recandidata-se à Trofa

O atual presidente da câmara da Trofa, Sérgio Humberto, recandidata-se nas próximas autárquicas pela coligação PSD/CDS-PP por considerar que aquilo que este concelho do distrito do Porto precisa "ainda não está concluído", disse hoje à agência Lusa.

"O trabalho e aquilo que a Trofa precisa ainda não estão concluídos. Neste últimos quatro anos conseguimos credibilizar a Trofa, reduzir a dívida em mais de 22 milhões de euros e isto representa que a Trofa deixou o grupo de municípios mais endividados do país. Estamos muito próximos do equilíbrio financeiro", disse Sérgio Humberto, professor do 3.º ciclo e do ensino secundário, de 41 anos.

O candidato da coligação "Unidos pela Trofa", que junta o PSD e o CDS-PP, apontou "três grandes eixos para a recandidatura": reduzir a dívida do município, apostar nas pessoas e na área das infraestruturas.

"Temos de continuar a credibilizar a Trofa, fazer uma aposta clara nas pessoas e na área social, valorizando a educação, a ligação com o movimento associativo, a aposta no contacto e apoio a pessoas com mais dificuldades e avançar com infraestruturas importantes", descreveu o também ex-deputado na Assembleia da República.

Sérgio Humberto apontou ter conseguido vários investimentos, quer na rede viária, quer na reabilitação urbana, parque escolar bem como novos projetos na área social, e lançou como grande meta para a Trofa, concelho jovem que nasceu em 1998 ao sair do vizinho Santo Tirso, passar a ter Paços do Concelho.

Além da candidatura de Sérgio Humberto (PSD/CDS-PP), são conhecidas as candidaturas de Amadeu Dias (PS) e Fernando Sá (PCP/PEV) à câmara da Trofa para as eleições de 01 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.