Autárquicas: PSD e CDS apoiam independente Jorge Machado em Cabeceiras de Basto

O PSD e o CDS-PP vão apoiar a candidatura independente de Jorge Machado à Câmara de Cabeceiras de Basto, nas autárquicas de 01 de outubro, informaram hoje à Lusa os líderes distritais daqueles dois partidos.

"Consideramos que esta é a melhor forma de servir os interesses da população de Cabeceiras de Basto e de reforçar o partido no concelho", disse o líder da Distrital de Braga do PSD.

José Manuel Fernandes acrescentou que a lista integrará alguns militantes do PSD, mas sublinhou que o partido "não se apropriará da vitória, que é mais que certa, o que está a enervar o PS local".

O líder da Distrital do CDS-PP, Altino Bessa, disse que o seu partido vai igualmente apoiar a candidatura de Jorge Machado.

Nas autárquicas de 2013, PSD e CDS concorreram coligados à Câmara de Cabeceiras de Basto, conseguindo 1.355 votos e elegendo um vereador.

As eleições foram ganhas pelo PS, com 4.971 votos e três vereadores.

Em segundo lugar, ficou a candidatura independente liderada por Jorge Machado, com 4.535 votos e também três vereadores.

Presidente dos Bombeiros Voluntários de Cabeceiras de Basto, e ex-militante do PS, Jorge Machado é vereador na Câmara de Cabeceiras de Basto desde 1998, tendo desempenhado as funções de vice-presidente a partir das autárquicas de 2001 e até outubro de 2012.

Nessa data, o então presidente da Câmara, Joaquim Barreto, retirou-lhe a confiança política e os pelouros que detinha, na sequência de uma polémica relacionada com a retirada do concelho da ambulância de suporte imediato de vida.

Nas eleições de 2013, Joaquim Barreto não se pôde recandidatar, face à lei de limitação de mandatos, tendo o PS apresentado como cabeça de lista Serafim China Pereira.

Em março de 2015, China Pereira demitiu-se agastado com as críticas que o partido lhe fez publicamente, tendo ascendido à presidência Francisco Alves, que a 01 de outubro será o candidato do PS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?