Autárquicas: Professora Isabel Souto é a candidata da CDU em Castro Daire

A professora do ensino secundário Isabel Souto é a candidata da CDU à presidência da Câmara de Castro Daire, lugar a que concorre pela terceira vez, depois de já ter sido candidata em 2009 e 2013.

Em declarações à agência Lusa, Isabel Souto explicou que concorre pela terceira vez pelas mesmas razões dos últimos anos, já que vê que "não há uma preocupação efetiva em desenvolver o concelho e melhorar a vida dos cidadãos".

"Há uma inércia total, em que não se vê a preocupação em melhorar a vida das pessoas ou o atraso cultural e económico em que está o concelho. Não há preocupação com o despovoamento alarmante que está a acontecer em Castro Daire", sustentou.

Caso seja eleita a 01 de outubro, a candidata de 47 anos promete colocar no topo das suas prioridades a questão do despovoamento, apostando na captação de investimento que possa atrair pessoas ao concelho.

"A outra preocupação é o ambiente, porque é um descurar absoluto nesta área. Não há uma ETAR a funcionar em Castro Daire, não temos uma visão de sustentabilidade do meio ambiente", apontou.

No seu entender, é essencial criar emprego, de forma que as pessoas possam fixar-se e constituir família no concelho de Castro Daire.

"Numa terra onde é preciso fazer tanto, é difícil enumerar tudo", lamentou.

A cabeça de lista à Assembleia Municipal de Castro Daire é Nice Aleksandra Braz, desempregada de 40 anos, que já exerceu em diferentes momentos cargos de gerência de estabelecimentos comerciais ligados à hotelaria e restauração em Castro Daire.

Na "corrida" autárquica está também o atual presidente da Câmara de Castro Daire, Fernando Carneiro, que concorre a um terceiro mandato pelo PS; e o presidente da Comissão Política Concelhia de Castro Daire do PSD, Paulo Almeida, que concorre pela coligação PSD/CDS-PP.

Nas autárquicas de 2013, o PS obteve 54,19% dos votos no município, conseguindo quatro mandatos e elegendo como presidente da Câmara Fernando Carneiro.

O PSD obteve 35,61% dos votos, conseguindo três mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.