Autárquicas: Professor Paulo Monteiro é o candidato do CDS-PP à Câmara de Mortágua

O professor do ensino básico Paulo Monteiro é o candidato do CDS-PP à presidência da Câmara de Mortágua, onde pretende apostar na ação social e no desenvolvimento económico do concelho caso seja eleito a 01 de outubro.

De acordo com Paulo Monteiro, esta é a primeira vez que concorre à presidência da Câmara de Mortágua, apresentando como 'slogan' de campanha "falar a verdade às pessoas".

"Concorro por uma questão de cidadania: qualquer cidadão devia ter este dever cívico de concorrer no lugar onde mora, onde nasceu e que ama", justificou o professor do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico.

Em declarações à Lusa, o candidato de 52 anos explicou que a ação social e o desenvolvimento económico estão no topo das suas prioridades, caso venha a ser eleito.

"A economia é essencial para o bem-estar das pessoas e também é preciso trazer pessoas de volta ao nosso concelho, pois são elas que fazem a economia possível. Pretendemos trazer jovens ao concelho e fazer com que se fixem, pois este é um concelho de população muito idosa", referiu.

Na vertente da ação social, o candidato do CDS-PP promete ter em conta a família, que vê como sendo "o núcleo central de uma sociedade".

"Também os mais jovens não serão esquecidos", acrescentou.

Sobre a sua lista, informou que "já está fechada" e que o CDS-PP irá concorrer à Assembleia Municipal e a quatro das sete juntas do concelho de Mortágua.

Na corrida autárquica está também o chefe da Divisão de Administração Geral e Finanças da Câmara de Mortágua, Ricardo Pardal, que concorre pelo PS.

Nas últimas eleições autárquicas, o PSD obteve 44,37% dos votos e quatro mandatos, elegendo José Júlio Norte como presidente.

O PS conquistou 42,43%, conseguindo três mandatos.

As eleições autárquicas realizam-se a 01 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.