Autárquicas: Paulo Nogueira é o candidato da CDU em Santa Comba Dão

A CDU decidiu candidatar o técnico superior municipal Paulo Nogueira à presidência da Câmara de Santa Comba Dão, elegendo a ação social, a educação e a juventude como prioridades, caso seja eleito a 01 de outubro.

Em declarações à Lusa, o candidato de 52 anos, que é técnico superior da Câmara de Santa Comba Dão, explicou que esta é a primeira vez que concorre à 'cadeira do poder', com o intuito de mudar o rumo do município.

"Pretendo contrariar a inércia em que se encontra o concelho de Santa Comba Dão. Quero dinamizar o concelho, que é o que lhe falta: isto precisa de um impulso", sustentou.

De acordo com Paulo Nogueira, caso seja eleito a 01 de outubro, a ação social, a educação e a juventude serão os pilares da sua intervenção.

"Também pretendo apostar na área do turismo que está muito subaproveitado. Falta-nos capacidade hoteleira e divulgar o concelho e ainda agregar as associações do concelho", apontou.

No seu entender, seria mesmo importante criar uma associação que representasse todas as associações do concelho e ainda encontrar parceiros para a promoção do concelho.

"Temos também de tentar que a juventude, que se afastou do concelho, retorne, com aposta na geração de postos de trabalho de alguma qualidade, para os jovens qualificados que saíram regressem e ajudem a desenvolver o concelho", concluiu.

Na "corrida" autárquica está também o presidente da Câmara de Santa Comba Dão, Leonel Gouveia, que se recandidatou a um segundo mandato e o antigo presidente da Câmara de Santa Comba Dão Daniel Santos, que é o candidato da coligação PSD/CDS-PP.

Nas autárquicas de 2013, o PS obteve 48,56% dos votos no município, conseguindo quatro mandatos e elegendo como presidente da Câmara Leonel Gouveia.

O PSD obteve 39,72% dos votos, conseguindo três mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?