Autárquicas: Paulo Louro é o candidato do BE à Câmara de Azambuja

O psicólogo Paulo Louro vai concorrer como independente apoiado pelo Bloco de Esquerda (BE) à Câmara Municipal de Azambuja nas eleições autárquicas de 01 de outubro, anunciou hoje o partido.

"Vamos mexer com isto" é o lema da campanha de Paulo Louro, 53 anos, que foi chefe da divisão da Educação e Juventude na Câmara Municipal de Azambuja durante 10 anos.

Desde 1992 é docente no ensino superior nas áreas da intervenção comunitária, da educação, da gestão de projetos e da gestão autárquica, coordenando atualmente um mestrado nessa área.

Em comunicado, o Bloco de Esquerda refere que se trata de uma candidatura independente, "que procurou ser o ponto de convergência de várias sensibilidades, procurando congregar não apenas simpatizantes e aderentes do BE, mas também independentes".

A nota adianta ainda que Firmino Amendoeira será o cabeça de lista à junta de freguesia de Azambuja e Daniel Claro à Assembleia Municipal.

O atual executivo tem três eleitos do PS (incluindo o presidente), dois da coligação pelo Futuro da Nossa Terra (PSD, CDS-PP, MPT, PPM), um da CDU e um independente.

Entretanto, no concelho de Azambuja também já a apresentaram a sua candidatura à presidência do município o atual presidente, Luís de Sousa (PS), David Mendes (CDU), Rui Corça (coligação pelo Futuro da Nossa Terra) e Madalena Viana (CDS-PP)

No concelho de Azambuja, situado no distrito de Lisboa, residem cerca de 21 mil pessoas.

As eleições autárquicas decorrem a 01 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...