Autárquicas: Partido da Terra candidata Pascoal Duarte Oliveira à Câmara de Pombal

O MPT - Partido da Terra vai concorrer à Câmara de Pombal com o cabeça-de-lista Pascoal Duarte Oliveira, que se irá apresentar nas eleições autárquicas de 01 de outubro, disse hoje o candidato à agência Lusa.

Pascoal Duarte Oliveira afirmou que foi convidado pelo partido, com o qual se identifica, apesar da sua inexperiência política, e que aceitou ser o cabeça-de-lista do MPT com o objetivo inicial de "dar a conhecer o projeto e as ideias" do partido.

"Tendo em conta os valores do partido, nomeadamente a vertente humanista e ecologista, as nossas preocupações são com as aldeias, com o ordenamento do território, com a falta de pessoas e a emigração. Queremos perceber por que razão quem foi embora não voltou e por que é que há emprego e falta de mão-de-obra", precisou Pascoal Duarte Oliveira.

O técnico de emprego, de 46 anos, acrescentou que o MPT pretende "fazer a viragem", pois "o concelho há muito tempo que tem uma linha de pensamento igual".

"Queremos mostrar às pessoas que há uma alternativa e ideias diferentes e apresentar os nossos valores e as questões ecológicas que são para nós muito importantes", reforçou o candidato.

Num município que vota tradicionalmente PSD, os sociais-democratas conquistaram em 2013 seis mandatos de nove atribuídos (54,99%), contra três do PS (26,77%).

Também concorrem à liderança da Câmara de Pombal, o atual presidente do município, Diogo Mateus, pelo PSD, o ex-presidente da autarquia Narciso Mota com uma candidatura independente, o vereador Jorge Claro pelo PS, o economista Amílcar Malho também com uma candidatura independente, o empresário Fernando Domingues pela CDU, o economista Gonçalo Pessa pelo BE e o presidente da Concelhia do CDS-PP, Sidónio Santos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...