Autárquicas: Orlando Cruz apresenta candidatura à Câmara do Porto

Orlando Cruz anunciou hoje a sua candidatura à Câmara do Porto pelo PPPV/CDC, assegurando ser o seu partido "aquele que vai garantir a Rui Moreira poder governar com maioria a autarquia" portuense.

Apoiado pelo Partido Portugal Pró Vida/Cidadania e Democracia Cristã (PPPV/CDC), o candidato explicou que, "uma vez que a candidatura de Rui Moreira não vai conseguir a maioria absoluta nas urnas e nem poderá contar com o apoio do PS, BE e PCP para a ter", só com o seu apoio "vai poder governar com maioria".

Orlando Cruz, que em julho de 2016 anunciou a candidatura à Câmara de Gaia pelo Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP), afastou-se desse projeto, explicou à Lusa, "após ser confrontado com lutas internas no partido, que hoje nem sequer sabe quem é o presidente".

"Fui convidado pelo PPPV/CDC e aqui estou para assumir o meu compromisso com os portuenses, conhecendo as áreas em que devemos intervir", disse de uma campanha em que promete "não atacar ninguém, mas sim falar do seu programa".

Garantindo que, ao contrário do que aconteceu em 2013, em que começou no Porto e terminou em Matosinhos, "desta vez será candidato até ao fim", Orlando Cruz considerou um bom resultado "ganhar a câmara".

Ana Paula Nápoles, mandatária da candidatura, apresentou como "cinco eixos de intervenção, caso ganhem as eleições, a solidariedade, empregabilidade, saúde, educação e inclusão da cidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?