Autárquicas: Mário Sousa Pinto é o primeiro candidato do BE a Mesão Frio

O gestor Mário Sousa Pinto aceitou ser candidato independente pelo Bloco de Esquerda (BE) à Câmara de Mesão Frio devido à "falta de democracia" que disse ser o "grande problema" deste concelho do distrito de Vila Real.

Esta é a primeira vez que o BE apresenta uma candidatura à Câmara de Mesão Frio.

Mário Sousa Pinto, de 51 anos, é gestor e consultor de empresas e foi presidente da concelhia do PS de Mesão Frio, vereador na oposição e, depois do atual presidente Alberto Pereira ter sido eleito pelo PS, em 2009, assumiu o cargo de vereador e vice-presidente.

Após um interregno de quatro anos, o candidato voltou à política ativa e, segundo afirmou à agência Lusa, a razão principal da sua candidatura é porque "Mesão Frio tem um grande problema de falta de democracia".

"Até me custa dizer isto porque durante 20 anos fui um dos lutadores pela mudança política e, aquilo que me queixo agora, era aquilo que me queixava na altura. Mas, de facto, agora, é que está mesmo tudo inclinado para o mesmo lado", referiu.

O candidato reiterou que a "democracia" é o que falta em Mesão Frio e é, por isso, que esta é a principal mensagem dos cartazes da sua campanha eleitoral.

Mário Sousa Pinto defendeu que "a gestão autárquica tem que ser equitativa" e que as "pessoas têm que ser bem tratadas e todas tratadas da mesma maneira".

"Este é um concelho que definha ano após ano. É o concelho mais pequeno do distrito, tanto a nível de território como de população. A grande prioridade é estancar o êxodo populacional e criar condições para fixar pessoas", sublinhou.

As eleições autárquicas em Mesão Frio vão ser disputadas pelo atual presidente, Alberto Pereira (PS), Eduardo Miranda (PSD), João Silva (CDS-PP), Armando Branquinho (CDU) e Mário Sousa Pinto (BE).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.