Autárquicas: Juntos pelo Povo concorre em Felgueiras apostando em Paulo Alves

O partido Juntos pelo Povo (JPP) informou hoje que vai concorrer à Câmara de Felgueiras, apresentando como cabeça-de-lista o empresário Paulo Alves, de 48 anos, que já foi deputado municipal.

"O Movimento Juntos pelo Povo apoia incondicionalmente Paulo Alves como cabeça-de-lista à Câmara de Felgueiras, um felgueirense que conhece a terra e as gentes. Trata-se de uma candidatura de alternativa, num projeto de âmbito social e de cidadania para o concelho", assinala Élvio Sousa, secretário-geral do JPP, citado num comunicado enviado à Lusa.

No mesmo documento, o candidato em Felgueiras afirma ter a convicção de que "vai contribuir para uma democracia mais participativa, elegendo um verdadeiro voto de cidadania".

"Apresentamos um conjunto de pessoas dispostas a abraçar um projeto fora dos interesses partidários instalados há 43 anos em Portugal", acrescenta.

O candidato foi deputado municipal entre 2005 e 2009, eleito na lista independente do movimento liderado por Fátima Felgueiras.

Para Paulo Alves, "o descontentamento político é geral em Felgueiras e para isso contribuiu a inoperância deste executivo eleito em 2009, que não teve a capacidade de dar seguimento ao desenvolvimento económico que vinha prosseguindo desde os anos 90".

Em Felgueiras, além desta candidatura, já eram conhecidas as apostas do PSD, que recandidata o atual presidente da câmara, Inácio Ribeiro, no âmbito de uma coligação com o PPM, e do PS, que aposta no independente Nuno Fonseca, no contexto de uma coligação com o partido Livre, designada "Sim, acredita".

O CDS-PP apoia a candidatura do advogado Rui Miranda, no âmbito de uma coligação com o "Nós Cidadãos", identificada como "Novo Rumo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...