Autárquicas: Joaquim Pinto Moreira é recandidato pelo PSD à Câmara de Espinho

A comissão política do PSD de Espinho anunciou hoje que o atual presidente da Câmara Municipal, Joaquim Pinto Moreira, irá concorrer pelo partido a um terceiro mandato na liderança da autarquia.

Em comunicado, a concelhia afirma que "Pinto Moreira merece fechar com chave de ouro o seu ciclo de trabalho como presidente de Câmara, consolidando a governação autárquica em Espinho e concluindo os ambiciosos projetos em curso no concelho".

Advogado de formação e com 48 anos de idade, Joaquim Pinto Moreira cumpre atualmente o segundo mandato na chefia do Executivo municipal, depois de ter vencido as autárquicas de 2009 com 39,11% dos votos e as de 2013 com 47,22%.

"Nos últimos quatro anos consolidou o modelo de gestão autárquica que desenvolveu no mandato inicial, assente no rigor orçamental, no reequilíbrio financeiro da autarquia e na atração de investimento privado", defende o PSD.

"Desde 2009, o Executivo conseguiu reduzir o volume global de dívida em quase 50%, situando essa neste momento nos 27,9 milhões de euros", acrescenta a concelhia.

O comunicado do PSD nota também que, "pela primeira vez em vários anos, o Município conseguiu cumprir o limite legal de endividamento, registando uma margem positiva absoluta de 5,1 milhões de euros" e podendo agora "adotar medidas de estímulo fiscal às famílias e às empresas".

A concelhia conclui assim que Espinho registou "uma evolução extremamente positiva graças à reanimação da sua forte tradição comercial e à aposta inédita que os principais grupos de retalho nacionais fizeram no coração da cidade", para o que terá contribuído também o novo Plano Diretor Municipal e "uma política de urbanismo facilitadora do investimento e da iniciativa privada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.