Autárquicas: João Duarte lidera grupo independente de candidatura a Monchique

O independente João Duarte é o candidato que o grupo "Cidadãos por Monchique" escolheu para liderar a corrida às eleições autárquicas naquele município algarvio, marcadas para 01 de outubro.

O grupo "Cidadãos por Monchique" surge "da necessidade que diversas pessoas do concelho sentiram em criar alternativas aos partidos atualmente existentes", lê-se no comunicado divulgado hoje por responsáveis do movimento.

"As promessas atuais tornaram-se insuficientes, os recursos não são utilizados de forma correta, as pessoas encontram-se insatisfeitas e incompreendidas", referem, sublinhando que o seu compromisso é "largar as cores partidárias e colocar, de uma vez por todas, o bem-estar dos cidadãos e o potencial do concelho no topo das prioridades".

Segundo o grupo, as pessoas que integram o movimento "não se encontram associadas a nenhum outro partido que não o de Monchique" e, apesar de terem consciência do desafio que enfrentam, dizem-se prontos para lutar pelo concelho, que "tantas vezes" tem sido negligenciado.

"A nossa crença de que Monchique merece melhor é a nossa ferramenta para avançarmos", notam, acrescentando que não querem ser "mais um partido com a boca cheia de promessas inconcebíveis e ilusórias" e que estão apenas focados em potenciar e desenvolver o concelho.

O movimento independente liderado por João Duarte terá como adversários nas próximas autárquicas Paulo Alves, candidato independente que concorre pelo PS, o social-democrata Rui André, atual presidente, e António Justino, pela CDU.

Nas últimas autárquicas, em 2013, o PSD - encabeçado por Rui André, que vai candidatar-se a um último mandato -, arrecadou 47,42% dos votos, alcançando três mandatos, enquanto o PS obteve 32,19%, o que corresponde a dois mandatos.

Rui André conseguiu recuperar a Câmara para o PSD, que apenas liderou a autarquia durante um mandato, entre 1976 e 1979, destronando Carlos Tuta (PS), eleito pela primeira vez em 1983 e que era o mais antigo presidente de Câmara na região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.