Autárquicas: Historiador Gabriel Feitor é o candidato do movimento Cidadãos por Alcanena

O historiador Gabriel de Oliveira Feitor, de 23 anos, anunciou hoje a sua candidatura à presidência da Câmara de Alcanena pelo movimento Cidadãos por Alcanena.

Numa "carta de apresentação" da sua candidatura divulgada hoje, Gabriel Feitor afirma que, "após ponderada reflexão, incentivado por um grupo alargado de pessoas das mais diversas sensibilidades e perspetivas", decidiu "aceitar o desafio" e apresentar-se aos eleitores do concelho.

Sob o lema "Um Concelho com Futuro", a candidatura visa "dar corpo" ao "movimento de cidadania participativa, cuja matriz assenta no respeito da identidade dos locais, na necessidade da coesão do concelho, e na convicção que é imperativo fazer melhor", declara.

Natural e residente em Alcanena, Gabriel Feitor, licenciado em História Moderna e Contemporânea e a frequentar o mestrado em História Contemporânea na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem-se dedicado "ao conhecimento do passado", com dois livros publicados, em edição de autor, e vários artigos e conferências sobre temas da história local.

O candidato refere também a intervenção cívica e associativa, como vogal do Conselho Fiscal do Centro de Bem-Estar Social de Alcanena (2016-2020), vice-presidente da direc¸a~o do centenário Centro Instrutivo de Alcanena (2014-2017), fundador do movimento juvenil Juventude Ativa do Concelho de Alcanena (presidente no mandato 2010-2012), bombeiro voluntário, entre outros.

O atual vereador independente na Câmara de Alcanena, o professor Artur Rodrigues, eleito em 2013 pelo movimento ICA -- Independentes pelo Concelho de Alcanena, anunciou, em maio, que não se vai recandidatar ao cargo nas eleições autárquicas de 01 de outubro.

Nas autárquicas de 2013, a lista liderada pela socialista Fernanda Asseiceira conquistou 42,73% dos votos (quatro mandatos), tendo a coligação PSD/CDS obtido 29,25% dos votos (dois vereadores) e o ICA 14,8% (um eleito), num concelho que tinha 12.809 eleitores inscritos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.