Autárquicas: Gerente de hotelaria João Corono é o candidato do BE à Câmara da Covilhã

O gerente de hotelaria João Corono é o candidato do Bloco de Esquerda (BE) à Câmara da Covilhã nas eleições autárquicas de 01 de outubro, anunciou hoje em comunicado aquele partido.

Ex-delegado sindical, João Corono tem 63 anos, é gerente de hotelaria, restauração e bebidas e tem um percurso ligado ao movimento associativo e cultural da Covilhã, além de ser um dos responsáveis locais do BE.

Segundo a nota de imprensa, a candidatura pretende "aportar transparência, seriedade, competência e proximidade à política do concelho. Devolver as cidades e as freguesias à sua população, retirando-a da subjugação aos interesses e às políticas desastrosas destes últimos 25 anos".

Na nota de imprensa, o BE adianta igualmente que o cabeça de lista à Assembleia Municipal será Nuno Cruz, independente, 28 anos, natural de Vila Nova de Gaia, mas a residir na Covilhã há 10 anos.

Licenciado em Sociologia e a frequentar o mestrado de "Pobreza e Políticas Sociais" na Universidade da Beira Interior, Nuno Cruz é atualmente assistente de loja para o grupo Altice.

"Somos uma nova equipa que procura uma nova forma de fazer política, pondo o interesse público em primeiro lugar. Queremos iniciar um novo ciclo autárquico, que invista e valorize as pessoas, que pense e reestruture as cidades, vilas e aldeias, que reinvente o comércio e melhor distribua a riqueza, e que não promova de modo nenhum a exclusão social", acrescenta a nota.

Além de João Corono, já anunciaram as respetivas candidaturas à Câmara da Covilhã, distrito de Castelo Branco, Marco Batista (PSD), Adolfo Mesquita Nunes (CDS-PP), Carlos Pinto (independente), Mónica Ramôa (CDU) e Vítor Pereira (PS).

Nas eleições de 2013, o PS, liderado por Vítor Pereira, conquistou três mandatos, o Movimento Acreditar Covilhã obteve dois, enquanto o PSD e a CDU elegeram um vereador cada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...