Autárquicas: Fixar os jovens em Valença é objetivo de candidato do CDS-PP

O jovem de 32 anos, Pedro Lemos, formado em gestão hoteleira é o candidato do CDS-PP à presidência da Câmara de Valença, que quer "fixar os jovens no concelho", caso seja eleito a 01 de outubro.

Em declarações à agência Lusa, Pedro Lemos explicou hoje que decidiu encabeçar a candidatura do partido à Câmara de Valença por considerar que "é preciso criar oportunidades de emprego para os jovens com formação académica se fixarem em Valença e não precisarem de emigrar".

"Essa é, senão a principal, uma das principais bandeiras da minha candidatura porque o desenvolvimento do concelho precisa de recursos humanos qualificados. Esta é uma candidatura direcionada para os jovens entre os 20 e os 30 anos que não têm muitas oportunidades em Valença", afirmou Pedro Lemos, adiantando que a aposta no turismo é outra das prioridades da sua candidatura.

"Valença tem um grande potencial ainda por explorar", referiu.

Gestor de um estabelecimento comercial de decoração e guia turístico do Palácio da Brejoeira, em Monção, Pedro Lemos é natural do Porto, cresceu em Valença e "quer voltar a fazer oposição no executivo" que vier a sair das eleições autárquicas de 1 de outubro.

Além do candidato à Câmara, que integrou a lista do partido que concorreu à aquela autarquia do distrito de Viana do Castelo em 2005, o CDS-PP vai concorrer com Diana Carvalho, consultora informática à Assembleia Municipal daquele concelho do Alto Minho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?