Autárquicas: Fadista Gonçalo da Câmara Pereira encabeça coligação PPM/CDS-PP em Arronches

O fadista e agricultor Gonçalo da Câmara Pereira vai ser o candidato da coligação PPM/CDS-PP à Câmara de Arronches, no distrito de Portalegre, gerida pelo PSD, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, divulgou a coligação.

Gonçalo da Câmara Pereira, de 52 anos, é presidente do Partido Popular Monárquico (PPM), desenvolve a sua atividade agrícola no concelho alentejano de Arronches e já desempenhou, no município, as funções de vereador sem pelouros, eleito pelo PPM, entre 2005 e 2009.

Na luta autárquica em Arronches, o PSD vai recandidatar a atual presidente do município, Fermelinda Carvalho, de 45 anos, para tentar um terceiro e último mandato consecutivo.

O vereador da oposição socialista na câmara municipal, Carlos Rodrigues, de 54 anos, vai ser o candidato do PS.

O atual executivo municipal é composto por três eleitos pelo PSD e dois pelo PS.

No distrito de Portalegre, com 15 concelhos, o PSD lidera em seis municípios (Alter do Chão, Arronches, Sousel, Fronteira, Marvão e Castelo de Vide).

O PS possui também seis câmaras (Campo Maior, Elvas, Ponte de Sor, Crato, Nisa e Gavião) e a CDU lidera em duas (Avis e Monforte), ao passo que a Câmara de Portalegre é gerida pelo movimento Candidatura Livre e Independente por Portalegre (CLIP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.