Autárquicas: Eugénia Gouveia volta a concorrer pela CDU em Alfândega da Fé

A professora e investigadora do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) Eugénia Gouveia encabeça pela segunda vez a lista da CDU à Câmara de Alfândega da Fé.

Eugénia Gouveia tem 59 anos, é natural de Alfândega da Fé e volta a concorrer ao município para "reforçar a votação na CDU" e conseguir a representação da força política "ao nível da Câmara e da Assembleia Municipal", órgãos autárquicos onde não tem tido representação.

"Tornar a política menos crispada e mais participativa e integradora" é outro dos propósitos da candidata que aposta em "promover a participação cívica e mobilizar as pessoas para o desenvolvimento do concelho" liderado pelo PS.

Alfândega da Fé, no distrito de Bragança, é um concelho predominantemente agrícola que a candidata da CDU entende ter "grandes capacidades com muitas variedades de culturas".

Eugénia Gouveia defende que "a agricultura tem de ser adaptada às realidades atuais" e que "serão necessárias outras atividades complementares para que seja integrada".

"É preciso mobilizar as pessoas, dar condições para que desenvolvam este conceito", afirmou à Lusa, preconizando que o desenvolvimento não se faz "só de grandes empreendimentos, que fazem falta".

O turismo e a própria fruição do espaço natural do concelho são algumas atividades complementares apontadas, "mas que sejam feitas de forma quase natural".

Um dos problemas apontados pela candidata para é a falta de água, nomeadamente para regadio, embora reconheça que é um "setor que tem sido desenvolvido".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.