Autárquicas: Empresário concorre pelo CDS-PP à Câmara de Alandroal

O empresário de restauração Alberto Ramalho vai concorrer pelo CDS-PP à Câmara de Alandroal, no distrito de Évora, liderada pela CDU, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, divulgou o partido.

A Comissão Política Distrital do CDS-PP indicou à agência Lusa que os democratas-cristãos apresentaram apenas lista à câmara municipal.

Militante do CDS-PP, Alberto Judas Cardigos Ramalho, de 67 anos, é proprietário de um restaurante em Alandroal.

Esta é a quinta candidatura apresentada à Câmara Municipal de Alandroal para as eleições autárquicas deste ano.

A atual presidente do município, Mariana Chilra, de 54 anos, vai recandidatar-se ao cargo, pela CDU, para tentar um segundo mandato.

O PS divulgou a candidatura do antigo presidente do município João Grilo, eleito em 2009, pelo Movimento Unidade e Desenvolvimento de Alandroal (MUDA).

Também foi anunciado que João Nabais, outro antigo presidente da câmara, eleito pelos socialistas, em 2001, tendo cumprido dois mandatos, vai voltar a encabeçar a lista do movimento DITA, pelo qual concorreu em 2013.

O ex-inspetor da Polícia Judiciária José Cebola, aposentado, de 60 anos, vai ser, pela quarta vez, o candidato do PSD ao município, depois de ter concorrido em 1989, 2001 e 2013.

No distrito de Évora, com 14 concelhos, a CDU lidera em seis municípios (Alandroal, Arraiolos, Évora, Montemor-o-Novo, Mora e Vila Viçosa), o PS em cinco (Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Viana do Alentejo) e os outros três (Borba, Estremoz e Redondo) são presididos por movimentos independentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?