Autárquicas: Elsa Mata, do PTP, aposta em políticas sociais e defende mais turismo para Santana

O PTP aposta na educadora social Elsa Mata como cabeça de lista à Câmara Municipal de Santana, no norte da Madeira, concelho onde o partido obteve 1,29% de votos nas autárquicas de 2013, num total de 5.037 votantes.

A candidata salienta que suas propostas assentam nas políticas sociais e no turismo, com vista a criar emprego, combater a desertificação e estimular o desenvolvimento do tecido empresarial, essencialmente marcado pela atividade agrícola.

"Vamos combater o emprego e a desertificação com vista ao bem-estar da população e à dinamização do concelho", afirma Elsa Mata, que também defende a reabertura do serviço de urgências no centro de saúde na sede do concelho.

A candidata do Partido Trabalhista Português diz ainda que as suas propostas são "práticas e exequíveis", sendo que passam também por uma aposta forte no turismo, que é o setor basilar da economia da Região Autónoma da Madeira.

O concelho de Santana, composto por seis freguesias e com uma população de 7.719 habitantes (Censos de 2011) é atualmente liderado pelo CDS-PP, que obteve 51,72% dos votos nas eleições autárquicas de 2013, seguido do PSD com 33,10% e do PS com 7,78%.

A CDU alcançou 1,43% e o BE 1,19%.

O executivo municipal é constituído por três vereadores com pelouro do CDS-PP e dois do PSD sem pelouro.

Nas eleições autárquicas de 01 de outubro, são ainda candidatos à Câmara Municipal de Santana o atual presidente Teófilo Cunha (CDS-PP), Carlos Pereira (movimento independente Santana Primeiro), João Sousa (PS), João Gabriel Caldeira (PSD), David Monteiro (CDU) e Eduardo Freitas (MPT).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.