Autárquicas: Eleito pelo PSD em 2013 recandidata-se como independente na Ribeira Brava

O atual presidente da Câmara Municipal da Ribeira Brava, na Madeira, Ricardo Nascimento, eleito em 2013 pelo PSD, apresentou hoje a sua candidatura às eleições autárquicas de 01 de outubro como independente, à frente de um movimento de cidadãos.

"A nossa campanha não será para lavar roupa suja. Vamos dizer o que temos feito, o que não fizemos e porque não o fizemos e o que pretendemos fazer", disse Ricardo Nascimento na apresentação oficial da sua candidatura e da sede de campanha, no centro da vila da Ribeira Brava, na zona oeste da ilha.

O movimento de cidadãos independentes "Ribeira Brava Em Primeiro" conta com o apoio de quatro partidos - CDS-PP, PPM, MPT e PDR -, situação que o cabeça de lista considera ser uma "mais-valia".

"O movimento está aberto ao apoio de quem quer que seja, desde que o interesse seja a Ribeira Brava", vincou.

Ricardo Nascimento venceu as eleições autárquicas de 2013 com maioria absoluta, sendo que a Ribeira Brava foi um dos quatro municípios, num total de 11 que compõem a região autónoma, que se manteve sob a liderança social-democrata.

O autarca entrou, entretanto, em rotura com a direção do partido, liderado a nível regional por Miguel Albuquerque, por este não aceitar a sua recandidatura.

"Em 2013, eu agarrei um projeto com grande espírito de missão, que foi trabalhar em prol da Ribeira Brava", disse, explicando que durante três anos dedicou-se a "arrumar a casa", porque o concelho tinha uma "situação financeira complicada".

"Agora, temos muitos projetos para o futuro e, por isso, precisava de quatro anos para ver esses projetos a dar frutos", afirmou, realçando que tem esperança de obter um "grande resultado" nas autárquicas de 01 de outubro.

"Há aqui duas situações que vão pesar: as eleições serão uma avaliação ao meu trabalho [como autarca eleito pelo PSD], mas também serão uma avaliação sobre quem os ribeira-bravenses querem que esteja à frente dos destinos da sua terra", esclareceu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...