Autárquicas: Dirigente sindical Maria Teresa de Jesus é a candidata da CDU a Cantanhede

A dirigente sindical Maria Teresa de Jesus é a candidata da CDU à Câmara Municipal de Cantanhede, no distrito de Coimbra, afirmou hoje o responsável concelhio do PCP, Hermínio Martins.

A candidata à liderança do município é assistente operacional na Maternidade Daniel de Matos, em Coimbra, e "é dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Centro", informou Hermínio Martins à agência Lusa.

Maria Teresa de Jesus foi também cabeça de lista da CDU à Câmara Municipal de Cantanhede em 2013, eleições em que a coligação PCP/PEV não foi além dos 3,28% (627 votos).

Nas últimas autárquicas, a CDU não conseguiu eleger nenhum candidato a qualquer órgão autárquico do concelho, apesar de ter estado perto de conseguir um mandato "nas freguesias de Cantanhede e Ançã e para a Assembleia Municipal", sublinhou o responsável concelhio do PCP.

Segundo Hermínio Martins, a CDU pretende apresentar candidatos para todas as juntas de freguesia do concelho, procurando eleger "o maior número" de representantes "possível".

"O facto de não termos eleito nenhum representante não impediu que não tivéssemos encabeçado lutas importantíssimas no concelho, como é o caso da defesa do hospital público de Cantanhede - que esteve em vias de ser privatizado -, a luta pela reabertura das urgências entre as 00:00 e as 08:00" e a luta pela reabertura do ramal da Pampilhosa, notou Hermínio Martins.

Para as autárquicas de outubro, o PSD candidata em Cantanhede a vice-presidente da autarquia, Helena Teodósio, o PS o antigo vereador Luís Miguel Silva e o CDS o também antigo vereador Sérgio Repas.

Em 2013, o PSD conquistou cinco dos sete mandatos, com 59,14% dos votos, contra 28,13% do PS (dois mandatos), que só por uma vez conseguiu a liderança do município, em 1993.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.