Autárquicas: Coligação 'Sintra, Sim' junta PDR e JPP à câmara e assembleia

A coligação 'Sintra, Sim', formada pelo PDR e JPP, vai concorrer à câmara com Anabela Henriques, funcionária administrativa, apresentando também candidatos à assembleia municipal e a duas freguesias do concelho.

A cabeça de lista à câmara do distrito de Lisboa, Anabela Henriques, 53 anos, é independente indicada pelo Partido Democrático Republicano (PDR), enquanto Nuno Moreira, filiado no Juntos pelo Povo (JPP), lidera a lista para a assembleia municipal.

A coligação 'Sintra, Sim' vai concorrer ainda às freguesias de freguesias de Rio de Mouro e de Algueirão-Mem Martins.

"Nas autarquias é a primeira vez que concorremos em coligação - PDR e JPP -, sendo que neste caso o JPP tem mais alguma experiência autárquica, com o trabalho que tem feito na Madeira, e esperamos também ter resultados agora aqui", explicou Nuno Moreira.

O também mandatário de candidatura, que já possui experiência de anteriores eleições pelo JPP pelo círculo de Lisboa, adiantou que os dois partidos decidiram avançar com a coligação 'Sim' em Lisboa, Loures e Sintra.

A candidata à câmara, Anabela Rodrigues, disse apenas que a coligação divulgará em breve o seu programa para as eleições autárquicas de 01 de outubro.

De acordo com informação disponibilizada pela Entidade das Contas e Financiamento dos Partidos, na sua página da Internet, o PDR apresenta candidaturas a oito autarquias, enquanto o JPP concorre em cinco autarquias.

Nas eleições autárquicas de 01 de outubro recandidatam-se o presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), e os vereadores Pedro Ventura (PCP/PEV) e Marco Almeida (PSD/CDS-PP/MPT/PPM), e concorrem ainda Carlos Carujo (BE), Pedro Ladeira (Nós, Cidadãos!), Cristina Rodrigues (PAN), Maria José Fonseca (PTP) e Anabela Henriques (PDR/JPP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.