Autárquicas: CDU/Murtosa repete candidatura do psicólogo Jorge Vieira

A CDU vai candidatar o psicólogo Jorge Vieira, de 60 anos, à Câmara da Murtosa, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, cargo a que concorre pela terceira vez consecutiva, informou hoje a concelhia.

"Num quadro em que a população do concelho se vê confrontada com gritantes desigualdades sociais e enormíssimas debilidades no que toca a infraestruturas, a CDU propõe-se ser uma voz ativa na defesa dos interesses dos trabalhadores e do povo, não se submetendo às dinâmicas de influências locais, mas antes reclamando o que é justo e necessário para garantir uma vida melhor", refere uma nota da CDU.

Natural de Moçambique, Jorge Vieira instalou-se na Murtosa em 1994, desempenhando desde então as funções de psicólogo escolar no Agrupamento de Escolas do concelho.

Ao nível partidário, é membro da Comissão Concelhia do PCP.

Para a Assembleia Municipal, a CDU aposta no gerente e membro do partido ecologista "Os Verdes", João Silva, de 53 anos.

A Câmara da Murtosa é liderada desde 2012 por Joaquim Batista (PSD), após o anterior presidente, Santos Sousa, também do PSD, ter renunciado ao cargo. O atual executivo municipal é composto por seis elementos do PSD e um do PS.

Além de Jorge Vieira (CDU), também concorrem à presidência da Câmara da Murtosa Joaquim Baptista (PSD) e Jorge Bacelar (PS).

Nas últimas eleições autárquicas, na Murtosa, o PSD reforçou a maioria absoluta conquistando 70,9% dos votos, contra 16,2% do PS.

O CDS foi a terceira força partidária mais votada com 5,6% dos votos, seguindo-se a CDU com 2,3%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...