Autárquicas: CDU volta a escolher João Coquim para concorrer à Câmara de Ílhavo

João Coquim, de 59 anos, é o candidato da CDU à Câmara de Ílhavo, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, repetindo a candidatura por si protagonizada há quatro anos, informou hoje a coligação que junta PCP e PEV.

João da Cruz Coquim ocupou cargos diretivos em várias organizações ligadas às pessoas com deficiência e foi membro da Mesa da Assembleia-Geral do Sporting Clube da Vista Alegre.

Ao nível político, foi membro da Assembleia de Freguesia de São Salvador em Ílhavo entre 2001 e 2005 eleito pela CDU e, atualmente, é membro da Comissão Concelhia de Ílhavo do PCP.

O cabeça de lista da CDU à Assembleia Municipal é Emanuel Santos.

Em nota enviada à comunicação social, a CDU realça que as suas listas de candidatos em Ílhavo integram "várias dezenas de homens, mulheres e jovens" que, não tendo filiação partidária, aderiram ao projeto da CDU.

Das listas da coligação sobressaem ainda "a juventude de muitos dos seus integrantes, bem como presença de um assinalável número de mulheres, que em alguns casos estão até em maior número do que os homens".

Na disputa da presidência da Câmara de Ílhavo nas eleições de 01 de outubro estão, também, Fernando Caçoilo (PSD), presidente da Câmara, que se recandidata-se pelo PSD a um segundo mandato, Eduardo Conde (PS), Carlos Pedro Ferreira (CDS-PP) e Pedro Tavares (Bloco de Esquerda).

Nas últimas eleições autárquicas, o PSD obteve 44% dos votos (quatro mandatos), o PS 28% (três mandatos), o CDS-PP 7%, a CDU 5% e o BE 4%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.