Autárquicas: CDU volta a apostar em Delfim Moutinho para a Câmara de Tabuaço

O engenheiro agrónomo Delfim Moutinho, de 54 anos, volta a ser a aposta da CDU nas eleições autárquicas para encabeçar a lista à Câmara de Tabuaço.

Nas autárquicas de 2013, Delfim Moutinho -- que é membro do PCP - defrontou Carlos Carvalho (PSD-CDS/PP) e João Ribeiro (PS), exatamente os mesmos adversários que terá a 01 de outubro.

Natural de Valença do Douro, no concelho de Tabuaço, o candidato foi professor de Matemática no ensino secundário e, desde há vários anos, exerce a atividade de formador na área agrícola.

Entre 2013 e 2016 foi gestor agrícola em Angola e atualmente exerce as funções de técnico da Confederação Nacional da Agricultura e é presidente da Balagri -- Associação dos Baldios e dos Agricultores da Região de Viseu.

Nas eleições autárquicas, Delfim Moutinho terá de enfrentar Carlos Carvalho, que procura assegurar um segundo mandato para a coligação PSD-CDS/PP, e o antigo presidente da Câmara João Ribeiro, que voltou a ser o candidato escolhido pelo PS.

Nas autárquicas de 2013, a coligação PSD-CDS/PP foi vencedora, conseguindo três mandatos, com 49,20% dos votos, que permitiram a eleição de Carlos Carvalho. O PS, com 44,47%, obteve dois mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...