Autárquicas: CDU candidata professora do primeiro ciclo à câmara de Arruda dos Vinhos

Arruda dos Vinhos, Lisboa, 07 jun (Lusa)- A professora do primeiro ciclo Ana Pena é candidata da CDU à Câmara de Arruda dos Vinhos nas eleições autárquicas de 01 de outubro, foi hoje anunciado.

A independente disse à agência Lusa que se candidata ao cargo motivada pela sua experiência de ex-autarca na assembleia de freguesia da Apelação, Loures, e para "fazer mais e melhor" no concelho.

"Já que estou tão perto das populações, pretendo ouvi-las, dar-lhes voz e influenciar as decisões" políticas, sublinhou.

A cabeça-de-lista à câmara traçou como prioridades, se for eleita, o aproveitamento dos recursos naturais e patrimoniais para atrair investimento turístico ao concelho, a promoção do emprego e a criação de uma solução de transporte que melhore a "deficiente" rede de transportes públicos do concelho.

Ana Pena, 51 anos, é professora do primeiro ciclo no Centro Escolar de Arranhó, reside há 25 anos no concelho e foi dirigente sindical do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa.

A candidatura, cuja sede de campanha é hoje inaugurada, é apresentada ao público no sábado.

Ana Pena é a segunda candidata à câmara a aparecer neste concelho do distrito de Lisboa, depois de Luís Rodrigues pelo PSD.

Nas eleições autárquicas de 2013, o PS ganhou a Câmara ao PSD, elegendo quatro elementos, contra três do PSD.

Desde 2013 que o executivo municipal aumentou de cinco para sete eleitos, na sequência do aumento da população e de votantes no concelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...