Autárquicas: CDU candidata professor João Pinheiro à Câmara de S. Pedro do Sul

O professor João Pinheiro é o candidato da CDU à presidência da Câmara de S. Pedro do Sul, assumindo como prioridade a aposta no turismo, caso seja eleito nas autárquicas de 01 de outubro.

"A minha grande bandeira é a aposta no turismo, pois S. Pedro do Sul tem capacidades turísticas ímpares na região de Lafões. Tem um grande centro termal, a serra, rios e tem quase tudo de bom", sustentou.

Com 63 anos, esta é a terceira vez que o docente do ensino básico concorre à presidência da Câmara de S. Pedro do Sul, depois de ter entrado nas 'corridas' autárquicas de 1989 e 1993.

"Candidatei-me porque as pessoas estão um bocadinho afastadas da política e acho que posso contribuir para melhorar a discussão. As pessoas afastaram-se, acham que a política não é nada com elas, mas quanto mais candidatos tivermos melhor é, para discutirmos todo o tipo de questões", justificou.

No dia em que realizou a apresentação pública da sua candidatura, João Pinheiro revelou ainda que, caso seja eleito, pretende trabalhar para a descentralização de competências das juntas de freguesia e para a despoluição do rio Vouga.

"Entre as minhas prioridades estão também a melhoria do ensino e da saúde, a requalificação de espaços públicos, a reflorestação do concelho e o apoio aos agricultores e ao pequeno comércio", acrescentou.

O candidato da CDU disse ainda que terá em conta a questão do transporte público entre as freguesias do concelho.

"São tantas as questões importantes, que uma pessoa começa a ver o que está mal e parece uma lista sem fim", concluiu.

Na corrida autárquica está também o atual presidente da Câmara de S. Pedro do Sul, Vítor Figueiredo, que concorre a um segundo mandato.

Nas eleições autárquicas de 2013, o PS conseguiu roubar a presidência da Câmara ao PSD, obtendo 49,79% dos votos e quatro mandatos.

O PSD teve 37,71% dos votos, alcançando três mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.