Autárquicas: CDU candidata professor Carlos Canhoto à Câmara Municipal da Guarda

O professor Carlos Canhoto é o candidato da CDU - Coligação Democrática Unitária (PCP-PEV) à presidência da Câmara Municipal da Guarda nas eleições do dia 01 de outubro, anunciou hoje aquela estrutura partidária.

A CDU refere em nota hoje enviada à agência Lusa que o cabeça-de-lista à autarquia da Guarda, com 43 anos, é saxofonista, professor e investigador e docente na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco e nos Conservatórios de Guarda, Castelo Branco e Covilhã.

Carlos Canhoto é ainda membro da direção e fundador do Síntese - Grupo de Música Contemporânea e elemento do "Movimento em Defesa da Cultura - Um Por Cento para a Cultura".

A nota refere ainda que o candidato é eleito da CDU na Assembleia Municipal da Guarda e membro da Direção da Organização Regional da Guarda do PCP e da Comissão Nacional do PCP para a Cultura.

A CDU esclarece que, através dos seus eleitos, "tem sido uma força atuante, proponente e com provas dadas na defesa dos interesses e aspirações dos trabalhadores e populações do concelho da Guarda".

Num concelho "marcado por décadas de gestão PS e nos últimos quatro anos pela gestão PSD/CDS, e pela falta de respostas essenciais aos problemas concretos da população de todo o concelho", a CDU apresenta "um projeto protagonizado por homens e mulheres que afirmam um projeto distintivo na defesa intransigente das populações".

A CDU anuncia na mesma nota que candidata o professor e economista aposentado Aires Dinis, de 66 anos, eleito na Assembleia Municipal e na Assembleia da União de Freguesias de Pousade e Albardo, à liderança da Assembleia Municipal da Guarda.

A apresentação pública dos candidatos autárquicos "será oportunamente divulgada".

O atual presidente da autarquia da Guarda, Álvaro Amaro, vai concorrer ao segundo mandato pelo PSD, o PS candidata o ex-presidente da Câmara Municipal de Seia Eduardo Brito, o BE candidata Jorge Mendes, ex-presidente do Instituto Politécnico local, e Carlos Adaixo é o candidato a coligação "Guarda em Primeiro" (CDS-PP, MPT e PPM).

Nas eleições autárquicas de 2013, o social-democrata Álvaro Amaro conquistou ao PS a presidência da câmara que era gerida por este partido desde as primeiras eleições autárquicas (1976).

Álvaro Amaro, que concorreu em coligação com o CDS-PP, foi eleito por maioria absoluta, com 51,43% dos votos e cinco mandatos autárquicos, ocupando o PS os outros dois lugares do executivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.