Autárquicas: CDU candidata Fernando Domingues à Câmara de Pombal

Pombal, Leiria, 28 (Lusa) - O empresário Fernando Domingues, que foi candidato em 2013, é novamente o cabeça de lista da CDU à liderança da Câmara Municipal de Pombal, informou hoje o responsável distrital do PCP, Ângelo Alves.

Fernando Domingues é "um pequeno empresário" de Pombal, distrito de Leiria, presidente da associação de compartes dos baldios do Barrocal, localidade do mesmo concelho, e membro da Confederação Nacional de Agricultura, disse à agência Lusa Ângelo Alves.

Ângelo Alves sublinhou ainda que o candidato é também um dos rostos "no processo de luta no Barrocal", onde a população procura impedir uma alegada expansão da exploração de inertes por parte de uma pedreira.

Segundo o responsável distrital do PCP, o candidato é militante do partido, mas "a maioria dos candidatos nas listas a Pombal vão ser independentes, como é hábito no distrito" de Leiria.

Para Ângelo Alves, o objetivo passa por voltar a eleger um membro para a Assembleia Municipal (AM) e, se possível, aumentar a sua representação.

Em 2013, a CDU conseguiu eleger um membro para a AM de Pombal, algo que não acontecia "há muitos anos", mas obter mandatos para as assembleias de juntas e uniões de freguesias de Pombal.

Nas últimas autárquicas, a coligação PCP/PEV registou 3,19% dos votos (789) naquele que é um concelho que vota tradicionalmente no PSD.

Também concorrem à liderança da Câmara de Pombal, o atual presidente do município, Diogo Mateus, pelo PSD, o ex-presidente da autarquia social democrata Narciso Mota com uma candidatura independente, o vereador Jorge Claro pelo PS e o economista Amílcar Malho também com uma candidatura independente.

Em 2013, o PSD alcançou seis mandatos de nove atribuídos (54,99%), contra três do PS (26,77%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.