Autárquicas: CDU candidata enfermeiro Jorge Cravidão à Câmara de Portel

A CDU vai candidatar o enfermeiro Jorge Cravidão, de 35 anos, à presidência da Câmara de Portel, no distrito de Évora, de maioria socialista, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, divulgou hoje a coligação PCP/PEV.

Natural de Portel, Jorge Cravidão é enfermeiro e trabalha como gestor de produto numa empresa de desenvolvimento de aplicações informáticas para a saúde, indicou a Comissão Coordenadora de Portel da CDU, em comunicado enviado à agência Lusa.

O candidato, que integra a lista da CDU como independente, foi assistente convidado na Universidade de Évora e atualmente faz parte do corpo docente do curso de pós-graduação em reabilitação psicossocial em Saúde Mental do Instituto CRIAP.

Trabalhou ainda durante 10 anos numa instituição particular de solidariedade social na área da psiquiatria, saúde mental e reabilitação psicossocial, onde, além de prestar cuidados diretos aos utentes, teve responsabilidades de direção.

A coligação PSD/CDS-PP também já anunciou que o empresário Luís Tirapicos Nunes, de 36 anos, natural de Évora, mas com raízes familiares em Portel, vai liderar a sua lista à câmara municipal, nas próximas eleições autárquicas.

A Câmara de Portel é presidida por José Manuel Grilo (PS), desde as eleições de 2013, que ainda não revelou se vai voltar a encabeçar a lista dos socialistas.

O executivo municipal é composto por quatro eleitos do PS e um da CDU.

No distrito de Évora, com 14 concelhos, a CDU lidera em seis municípios (Alandroal, Arraiolos, Évora, Montemor-o-Novo, Mora e Vila Viçosa), o PS em cinco (Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Viana do Alentejo) e os outros três (Borba, Estremoz e Redondo) são presididos por movimentos independentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.