Autárquicas: CDU candidata a "doméstica" Laurinda Esteves Amaro à Câmara de Moncorvo

A CDU candidata à Câmara de Torre de Moncorvo Laurinda Esteves Amaro, uma "doméstica" de 63 anos, que se disse hoje empenhada em dar voz à classe média e aos mais desfavorecidos do concelho.

"O propósito da minha candidatura prende-se com o facto de poder dar voz aos mais pobres, desfavorecidos e trabalhadores do concelho de Torre de Moncorvo. Em matéria social estamos mal servidos, é preciso ajudar esta classe", frisou à Lusa a candidata.

Segundo a candidata da CDU há "muita pobreza envergonhada" no concelho e é preciso "dar força à classe média, que foi aquela que mais sofreu com a crise".

"O rico será sempre rico. Por isso é preciso fixar atenções nos mais desfavorecidos", enfatizou.

Laurinda Esteves Amaro prometeu visitar as aldeias do concelho à procurar das situações "mais aflitivas" a fim de "as sinalizar e dar-lhe voz junto do poder local".

"Quem tem o poder escuto apenas o que lhes dizem e não se deslocam para ver a realidade. Nós havermos de ir ao terreno identificar as situações mais preocupantes", enfatizou.

Segundo dados disponibilizados pela candidatura, Laurinda da Purificação Esteves Amaro é "doméstica", natural e residente no concelho de Torre de Moncorvo, no distrito de Bragança, situado em pleno Douro Superior.

A candidata da CDU é também secretária da Mesa da Assembleia da Cooperativa dos Olivicultores de Vila Flor e Ansiães.

Os candidatos à Câmara de Torre de Moncorvo são: Nuno Gonçalves (PSD), Maria de Lurdes Pontes (PS) e Laurinda Esteves Amaro (CDU).

O executivo municipal em Torre de Moncorvo é composto por três eleitos pela coligação PSD/CDS-PP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.