Autárquicas: CDU aposta em jovem de origem belga para eleger primeiro representante em Mira

A CDU aposta numa jovem estudante portuguesa de origem belga, Naara Dehorne, para tentar eleger pela primeira vez um representante no executivo da Câmara de Mira, confirmou hoje à Lusa fonte do PCP de Coimbra.

"A candidata da Coligação Democrática Unitária à Câmara de Mira é uma cidadã portuguesa naturalizada, que estuda na Bélgica, mas tem residência na Praia de Mira", acrescentou a mesma fonte da Direção Regional de Coimbra do PCP.

Há quatro anos, a lista da CDU recolheu pouco mais de um por cento, num sufrágio que acabou com a eleição do social-democrata Raul Almeida, com uma vantagem de apenas um por cento (89 votos) sobre o seu adversário socialista.

Nas autárquicas deste ano, o panorama volta a ser de equilíbrio. Raul Almeida recandidata-se e tem como adversário principal no PS o médico Manuel Martins, uma personalidade com grande experiência autárquica.

A lista de independentes Movimento Autárquico de Renovação (MAR) recolheu em 2013 mais de onze por cento dos votos entrados nas urnas, acabando por eleger um vereador, sendo este ano liderada pelo engenheiro civil Rui Terrível.

O CDS, que há quatro anos teve resultados residuais, abaixo de um por cento, aposta em 2017 em Fátima Peixoto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.