Autárquicas: CDS-PP e Partido da Terra candidatam Jorge Santos em Vimioso

O Movimento "Juntos Pela Nossa Terra - Vimioso", que alia o CDP-PP e o MT - Partido da Terra, anunciou hoje que candidata à câmara de Vimioso Jorge Santos, um gestor na área do turismo e 'marketing' de 40 anos.

Em declarações à Lusa, o candidato destacou que esta é a primeira vez, após o 25 de Abril, que duas forças partidárias se reúnem em coligação no concelho de Vimioso, para disputar a liderança da Câmara

Jorge Santos é presidente da comissão política concelhia do CDS-PP, membro da Comissão Política Distrital, e conselheiro nacional do CDS-PP.

As propostas eleitorais do movimento "Juntos Pela Nossa Terra - Vimioso" focam-se, segundo o candidato, nas pessoas.

"O nosso grande objetivo passa por ajudar as pessoas do nosso concelho a melhorarem a sua qualidade de vida, criando condições que permitam atrair investimento para que a nossa população se fixe no nosso município, para que não haja necessidade de abandonarem as suas casas e continuarem a emigrar", disse.

"A falta de incentivos ao investimento jovem leva a que a emigração continue. Não há oportunidades para jovens com ideias inovadoras num município cuja sua fronteira ao mercado espanhol dista a menos de 30 quilómetros da sede de concelho", indicou também.

À Assembleia Municipal de Vimioso, o movimento "Juntos Pela Nossa Terra - Vimioso" candidata Sérgio Pinto, de 24 anos, licenciado em Educação Ambiental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...