Autárquicas: CDS-PP candidata professora à Câmara de Reguengos de Monsaraz

O CDS-PP vai candidatar a professora do ensino secundário Maria de Fátima Carrilho à Câmara de Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, de maioria PS, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, divulgou o partido.

A presidente da concelhia de Reguengos de Monsaraz do CDS-PP e membro do conselho nacional do partido, Maria do Céu Moleiro, indicou à agência Lusa que os democratas-cristãos decidiram apenas apresentar lista à câmara municipal.

"Temos poucas pessoas nas freguesias e, se fizéssemos listas, estaríamos a contribuir para criar divisões e alimentar políticas locais desnecessárias", justificou a também "número dois" do CDS-PP à Câmara de Reguengos de Monsaraz.

Militante do CDS-PP, a professora Maria de Fátima Paixão Quintas Carrilho, de 55 anos, é natural e residente em Reguengos de Monsaraz.

A candidatura dos centristas é a quarta apresentada ao município de Reguengos de Monsaraz para as eleições autárquicas deste ano.

O atual autarca de Reguengos de Monsaraz, José Calixto, eleito pelo PS, vai recandidatar-se pelos socialistas a um terceiro e último mandato consecutivo.

A CDU apresenta como candidata a meteorologista Helina Campelo Lobo e o PSD aposta na médica Elsa Bento Góis.

O atual executivo municipal é composto por quatro eleitos do PS e um da CDU.

No distrito de Évora, com 14 concelhos, a CDU lidera seis municípios (Alandroal, Arraiolos, Évora, Montemor-o-Novo, Mora e Vila Viçosa), o PS cinco (Mourão, Portel, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas e Viana do Alentejo) e os outros três (Borba, Estremoz e Redondo) são presididos por movimentos independentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.