Autárquicas: CDS candidata o presidente da concelhia, Sidónio Santos, à Câmara de Pombal

O presidente da concelhia do CDS de Pombal, Sidónio Santos, é o candidato do partido à liderança da Câmara Municipal de Pombal, no distrito de Leiria, informou hoje o próprio.

O candidato, de 37 anos, disse à agência Lusa que tem como objetivo mínimo para as autárquicas conseguir eleger um vereador para a Câmara de Pombal.

Sidónio Santos é presidente da concelhia do CDS há quatro anos e é atualmente deputado na Assembleia de Freguesia de Pombal.

"O CDS pretende consolidar a sua posição no espaço político em Pombal e acho que vamos ser a grande surpresa", sublinhou o candidato, recordando que o partido "é a única força política em Pombal a liderar uma freguesia sem ser do PSD", em Abiúl.

A candidatura, explanou, está "centralizada em quatro eixos: pessoas, território, desenvolvimento económico e social e emprego".

Segundo Sidónio Santos, tem-se assistido à "deslocalização de vários investimentos para outros concelhos por parte de empresários pombalenses", sendo necessário criar uma estratégia de captação de investimento e de fixação da população jovem.

Num município que vota tradicionalmente PSD, os sociais democratas conquistaram em 2013 seis mandatos de nove atribuídos (54,99%), contra três do PS (26,77%).

O CDS foi a terceira força mais votada, com 6,18% dos votos.

Também concorrem à liderança da Câmara de Pombal, o atual presidente do município, Diogo Mateus, pelo PSD, o ex-presidente da autarquia social democrata Narciso Mota com uma candidatura independente, o vereador Jorge Claro pelo PS, o economista Amílcar Malho também com uma candidatura independente, o empresário Fernando Domingues pela CDU e o economista Gonçalo Pessa pelo BE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.