Autárquicas: CDS candidata líder concelhio Eduardo Bernardo à Câmara de Gouveia

O líder da comissão política concelhia do CDS-PP de Gouveia, Eduardo Bernardo, de 57 anos, é o candidato do CDS-PP à presidência da Câmara Municipal de Gouveia nas eleições do dia 01 de outubro, foi hoje anunciado.

Eduardo Manuel Pinto Bernardo, residente em Rio Torto, freguesia do concelho de Gouveia, é presidente da concelhia local do CDS-PP desde abril de 2011, e desempenha as funções de deputado na Assembleia Municipal desde 2013.

Para além da sua atividade profissional em seguros, o candidato é treinador de futebol, tendo já orientado equipas dos distritos de Aveiro, Viseu e Coimbra.

Eduardo Bernardo candidata-se pela primeira vez à liderança do município de Gouveia, no distrito da Guarda.

Em 2013, o partido integrou uma coligação com o PSD, que ganhou as eleições, mas desta vez o partido concorre sozinho porque, segundo o candidato, "os objetivos do CDS-PP nestes últimos quatro anos não foram atingidos" e apesar de terem sido feitos "esforços comuns", a coligação não foi renovada.

"Assim sendo, fui sensível ao chamamento dos militantes, simpatizantes e pessoas anónimas. Senti um carinho e uma onda positiva e não resisti à chamada", justifica.

O candidato do CDS-PP defende que é necessário "fazer um planeamento estratégico para o concelho [de Gouveia], tocando pontos essenciais como economia, turismo, ambiente, educação, agricultura, desporto, coesão social, reorganização dos serviços da Câmara, sempre em diálogo permanente e de proximidade com as pessoas".

"Resumindo, é preciso atrair jovens e criar postos de trabalho", diz Eduardo Bernardo, que no ato eleitoral do dia 01 de outubro espera ganhar a presidência da autarquia, ou "no mínimo, obter um vereador para integrar o executivo".

Quanto a projetos para o concelho, o candidato do CDS diz que o "foco principal é a captação de investimento", considerando que só assim se pode "combater a desertificação".

"Outra prioridade é a captação e retenção de água, depois, a gestão rigorosa de recursos, promover o acesso a fundos comunitários divulgando junto das empresas/empresários do concelho, estabelecer parcerias com instituições do ensino universitário/profissional para alavancar a economia e o emprego", acrescenta.

Defende ainda uma "aposta forte no turismo de montanha com promoção de Gouveia no exterior, requalificação dos espaços que estão abandonados (Cerca, Curral do Negro e Vale do Rossim), e a colocação de computadores nas escolas do ensino básico e reflorestação da floresta".

O município de Gouveia é atualmente presidido pelo autarca social-democrata Luís Tadeu, que se recandidata ao segundo mandato autárquico.

Nas eleições autárquicas de 2013, o PSD/CDS conseguiu quatro mandatos e o PS três.

O PS candidata o licenciado em organização e gestão de empresas João Paulo Agra e a CDU candidata o professor Jorge Manuel Sario de Matos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.