Autárquicas: Candidato do PS de Oliveira de Azeméis é Joaquim Jorge

A comissão concelhia do PS de Oliveira de Azeméis anunciou hoje que o candidato do partido à câmara municipal nas próximas eleições autárquicas voltará a ser o vereador e empresário Joaquim Jorge.

Segundo o comunicado da concelhia, que também é presidida pelo candidato, a decisão foi aprovada por unanimidade na estrutura local e distrital do partido.

"Sou candidato com a mesma vontade de trabalhar de sempre, para que todos possamos sentir ainda mais orgulho no nosso concelho", declara Joaquim Jorge, citado no documento.

Os socialistas reconhecem ao candidato "um profundo conhecimento do concelho e um currículo de reconhecido valor como gestor e como cidadão empenhado em causas públicas".

Apresenta-se assim à corrida eleitoral como "disponível para abraçar o enorme desafio de ser o próximo presidente de Câmara de Oliveira de Azeméis".

Ainda segundo o comunicado do PS, Joaquim Jorge tem 53 anos, é casado, pai de duas filhas, licenciado em Engenharia Eletrónica e de Computadores pela Universidade do Porto e proprietário de uma empresa com atividade na área das Tecnologias de Informação e Comunicação.

Desde 1993, quando foi eleito pela primeira vez como vereador para a Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, "manteve sempre uma intensa intervenção política", seja como membro da Assembleia Municipal ou, nos últimos oito anos, novamente como elemento do Executivo.

"Tem sempre defendido uma gestão autárquica rigorosa e um novo modelo de desenvolvimento para o concelho, que lhe devolva a centralidade que teve outrora", conclui o comunicado da concelhia socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.