Autárquicas: Candidato do CDS defende aposta no turismo para desenvolver Mesão Frio

O candidato do CDS-PP a Mesão Frio, João Silva, defendeu uma forte aposta no turismo para desenvolver o concelho, alavancar novos negócios e criar emprego que ajude a travar a saída da população, principalmente dos mais jovens.

João Silva, 46 anos e professor do primeiro ciclo, vive em Vila Real e encabeça, pela segunda vez, a candidatura do CDS-PP ao "mais pequeno" e "desertificado" município do distrito de Vila Real.

"É um concelho onde tudo está por fazer, uma terra muito estagnada e onde a saída dos jovens é muito acentuada e isto é muito grave", afirmou à agência Lusa.

A "pedra basilar" do projeto que João Silva defende para Mesão Frio assenta no turismo, uma estratégia que disse que acredita que pode levar empresas a investir no concelho, atrair visitantes, alavancar pequenos negócios a nível, por exemplo, do agroalimentar, e criar emprego.

O candidato defendeu que a autarquia deve ajudar as empresas a instalarem-se, por exemplo, através da cedência de terrenos ou da diminuição de taxas, como a derrama.

João Silva criticou os "investimentos megalómanos" feitos no concelho, como a biblioteca que considera ser demasiado grande para o município, e considerou ainda que a única estratégia que existe por parte do atual presidente, Alberto Pereira, "é o poder de estar lá".

O CDS-PP apenas apresenta lista à câmara de municipal, não se candidatando à assembleia municipal nem às juntas de freguesias devido "à dificuldade em formar listas".

"Quando temos pessoas que até gostavam, mas com medo de perda do próprio trabalho ou de familiares, claro que condiciona", frisou.

As eleições autárquicas em Mesão Frio vão ser disputadas pelo atual presidente, Alberto Pereira (PS), Eduardo Miranda (PSD), João Silva (CDS-PP), Armando Branquinho (CDU) e Mário Sousa Pinto (BE).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...