Autárquicas: Candidato da CDU defende melhores acessibilidades para Mesão Frio

O candidato pela CDU à Câmara de Mesão Frio, Armando Branquinho, quer ajudar a afirmar o projeto da Coligação Democrática Unitária e apontou, como prioridade, melhores acessibilidades para este concelho do distrito de Vila Real.

Armando Branquinho, 61 anos, reformado e antigo operário eletricista da CP, reside em Vila Real, aceitou encabeçar a lista da CDU a Mesão Frio e reconheceu a dificuldade em arranjar candidatos disponíveis neste pequeno concelho do Douro.

"Na ausência de candidatos com disponibilidade para Mesão Frio, fui eu que encabecei a lista. É a afirmação do projeto CDU também em Mesão Frio", afirmou à agência Lusa.

Neste concelho, a CDU avança com candidaturas apenas à câmara, à Assembleia Municipal e à Junta de Freguesia de Oliveira.

Como prioridade para este município, Armando Branquinho apontou a questão das acessibilidades, defendendo a concretização do "tão ansiado e adiado" Itinerário Complementar 26 (IC26), que ligaria a Régua a Mesão Frio e terminaria na Autoestrada 4 (A4), junto a Amarante.

Depois, elencou ainda a criação de postos de trabalho e a fixação de pessoas na região no concelho.

"As câmaras têm um papel importante a desempenhar, nomeadamente na criação de condições para a instalação de empresas, sabendo que, mesmo para as câmaras, não é fácil este papel, designadamente aqui as do interior. Mas é importante que as câmaras façam um esforço nesse sentido, no mínimo tentar", salientou.

Armando Branquinho defendeu ainda um melhoramento das vias municipais e uma "distribuição equitativa e justa" das verbas para as freguesias, "para que também elas possam desenvolver de alguma forma a própria localidade".

As eleições autárquicas em Mesão Frio vão ser disputadas pelo atual presidente, Alberto Pereira (PS), Eduardo Miranda (PSD), João Silva (CDS-PP), Armando Branquinho (CDU) e Mário Sousa Pinto (BE).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.