Autárquicas: Candidata do PTP em Sintra aposta na área social

O Partido Trabalhista Português (PTP) vai concorrer, nas próximas eleições autárquicas, com Maria José Fonseca para a câmara e a assembleia municipal de Sintra, assumindo centrar o seu programa "na área social".

O PTP, que concorre sozinho a 23 municípios, vai candidatar Maria José Fonseca, de 41 anos, como cabeça de lista à câmara municipal de Sintra, assembleia municipal e freguesia de Algueirão-Mem Martins.

"Apesar de a minha área ser a restauração, sempre ajudei, fiz voluntariado no Banco Alimentar, e sempre tentei na parte da ação social fazer o que estivesse ao meu alcance para ajudar", explicou a candidata, atualmente desempregada e que reside em Fontanelas, na freguesia de Colares, distrito de Lisboa.

A ligação ao PTP surgiu através do presidente, Amândio Madaleno, por ser "um partido que luta pelos trabalhistas e pelas pessoas que precisam", acrescentou a candidata sintrense.

"O meu programa será basicamente na ação social, porque há muitas pessoas a passarem muito mal na área de Sintra, principalmente nos bairros sociais. É por essas pessoas que quero lutar", salientou Maria José Fonseca.

Apesar de reconhecer que o município tem aumentado o investimento na área social, a candidata admitiu, no entanto, que o concelho ainda "deixa muito a desejar".

Isto porque "há muita gente que não tem dinheiro para comer" e o investimento municipal "não tem chegado ao ponto que devia chegar".

A candidata do PTP quer também alertar para a forma como ainda "são tratadas as pessoas de etnia" e lamentou ter assistido já a "episódios de racismo", questões que julgava estarem devidamente resolvidas pela sociedade.

Nas eleições autárquicas de 01 de outubro, além do PTP, recandidatam-se o presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), e os vereadores Pedro Ventura (CDU) e Marco Almeida (PSD/CDS-PP/MPT/PPM), e concorrem ainda Carlos Carujo (Bloco de Esquerda), Pedro Ladeira (Nós, Cidadãos!) e Cristina Rodrigues (PAN).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.